8 de jun de 2012

Transformações

ombros curvados pelos ossos desgastados pelo tempo
os pés com os dedinhos encolhidos como a se protegerem
mãos enrugadas, mas ainda fortes, mas os dedos cheios de imperfeições denunciam o avanço da artrite
a voz suave e trêmula como a de uma criança indefesa, no entando cheia de sabedoria e suavidade
os olhos cobertos por uma camada fina de pele, brilham como os de uma criança
ela se levanta e dá para sentir o esforço que faz para se firmar e ir em frente
por um momento penso que vai desistir, mas que nada, ela se apoia na pequena bengala de madeira companheira inseparável, e segue pela casa como se ainda precisasse provar algo a si mesma
continuo a observá-la, e a vejo pegar um pano seco e começar a tirar o pó da mobília da casa
ela cantarola enquanto faz isso, a voz sai tremulando pela casa, numa cantiga antiga que tento reconhecer, mas não consigo
sem me conter, pergunto o porque de querer fazer aquele trabalho que parece tão penoso fazer face os efeitos da doença em seu corpo entrevado.
Ela se vira e me olhando nos olhos fixamente como para me impedir de desviá-los e responde simplesmente que se parar morre, e ela precisa viver
depois disso, se perde em pensamentos e fala da garota peralta que era, do trabalho pesado que fez durante toda a vida, de como era ágil, rija e forte, de como não tinha tempo para nada que não fosse trabalhar, trabalhar e trabalhar
de como nunca ou quase nunca lhe sobrou tempo para curtir os filhos, os netos, porque precisava sempre correr para garantir a subsistência
de repente ela suspira profundamente e diz que hoje seu corpo não obedece a sua mente, e que ao se olhar no espelho não vê a pele enrugada e esmaecida, olhos sem brilho e fragilidade, ela vê a jovem que foi um dia, a jovem que sentia poder mudar o mundo, e fazer tudo o que quisesse
porém ela aceita o hoje, onde o simples levantar da cama é um suplício e uma vitória que consegue
fala da felicidade que sente hoje em poder ficar com a família, cercada pelos filhos, netos, bisnetos, pela cachorra e dois gatinhos carinhosos que tem
aquela resposta simples, e a aceitação dela sobre sua atual situação me comove e me faz admirá-la ainda mais, pois percebi que ela enfim encontrou o equilíbrio que todo ser deve ter para ser feliz
não vi naqueles olhos nenhum resquício de revolta, raiva ou rancor
fiquei quieta longos momentos absorvendo aquela história e tentando descobrir de onde surgia a força e serenidade que nutria o corpo e a alma daquela biza de mais de 80 anos, totalmente  fragilizada pela degeneração normal do passar dos anos, mas tão evoluída espiritualmente.
ela então me olhou e disse: a fé nos faz forte e nos leva a superar nossos piores temores
só sabemos exatamente a força que temos quando a incapacidade física nos fragiliza a ponto de necessitar do outro. Nesse momento, percebemos que não somos ilhas, não somos independentes como pensamos. Somos simplesmente seres frágeis e amedrontados
o desconhecido nos apavora e o medo de morrer é mais apavorante ainda pela sua definitividade. Por isso, hoje deixei de ser ilha e sou o ninho que acolhe os que me rodeiam e comemora cada pequena vitória como se fosse a última.
Ouvindo tudo aquilo, eu só pude olhar naqueles olhos num mudo consentimento, e admirá-la, porque as palavras eram desnecessárias frente a tanta certeza, tanta fé.

 Val Araújo

3 comentários:

  1. Oi Val, muito lindo, e a realidade de muitas que chegam a essa fase da vida, umas resistindo, outras, já se entregando, devido a tantas lutas. Tomara que eu consiga chegar como essa bisa, do seu poema...é a sua bisa ou se inspirou em outra?

    beijinssss

    nil

    ResponderExcluir
  2. Olá, adorei seu blog... ta lindoooo... o que acha de trocarmos links???
    Ja está linkadissima lá no meu... da uma passadinha por lá.
    Bjo grande, Dany.
    www.brechotresjolie.blospot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dany. Que bom que gostou. Já vou seguir vc sim. beijão.

      Excluir